6 FOTOS tiradas ANTES da MORTE

6 FOTOS tiradas ANTES da MORTE. O que tem a nos esclarecer a Doutrina Espírita? Foram vítimas do acaso? Houve determinismo?

6 FOTOS tiradas ANTES da MORTE

Assine a nossa Newsletter



 

Allan Kardec questionou à Espiritualidade Superior, na Q. 851 de “OLE” (O Livro dos Espíritos): “Haverá fatalidade nos acontecimentos da vida, conforme ao sentido que se dá a este vocábulo? Quer dizer: todos os acontecimentos são predeterminados?

E, neste caso, que vem a ser do livre-arbítrio”?

A resposta, pronta e objetiva: “A fatalidade existe unicamente pela escolha que o Espírito fez, ao encarnar, desta ou daquela prova para sofrer. Escolhendo-a, institui para si uma espécie de destino, que é a consequência mesma da posição em que vem a achar-se colocado. Falo das provas físicas, pois, pelo que toca às provas morais e às tentações, o Espírito, conservando o livre-arbítrio quanto ao bem e ao mal, é sempre senhor de ceder ou de resistir”.

Na Q. 853 de “OLE”: “Algumas pessoas só escapam de um perigo mortal para cair em outro. Parece que não podem escapar da morte. Não há nisso fatalidade”? Os Excelsos Imortais assim se expressaram: “Fatal, no verdadeiro sentido da palavra, só o instante da morte o é.

Chegado esse momento, de uma forma ou doutra, a ele não podeis furtar-vos”. Pergunta (a):

“Assim, qualquer que seja o perigo que nos ameace, se a hora da morte ainda não chegou, não morreremos“?

Os Arautos de Jesus responderam: “Não; não perecerás e tens disso milhares de exemplos. Quando, porém, soe a hora da tua partida, nada poderá impedir que partas. Deus sabe de antemão de que gênero será a morte do homem e muitas vezes seu Espírito também o sabe, por lhe ter sido isso revelado, quando escolheu tal ou qual existência”.

Portanto, assim como o Mestre Jesus afirmou que todos os fios da cabeça estão contados (Lucas 12:6) e nenhum pardal cai em terra sem o consentimento do Pai (Mateus 10:29), não está a Humanidade sob o jugo do acaso.

A Doutrina Espírita ensina que a vida é causal, não casual. Théophile Gauther, poeta e dramaturgo francês (1811-1872) disse que “acaso é o pseudônimo que Deus usa quando não quer assinar suas obras”. O que parece ser aparentemente fruto do acaso tem suas raízes causais, como explica a veneranda Joanna de Ângelis, a seguir, nos trechos retirados do cap. 3 do livro Alerta, obra psicografada por Divaldo P. Franco: “O imprevisível é a presença divina, surpreendendo a infração.

O insuspeitável pode ser considerado como a interferência divina sempre vigilante. O inesperado deve ser levado em conta como a ocorrência divina trabalhando pela ordem”.

Por que a desencarnação súbita e precoce de todo o grupo? O Espiritismo vem explicar, na obra Obras Póstumas, na primeira parte, através da comunicação do Espírito Clélie Duplantier, um assunto deveras elucidativo a respeito do tema em tela:

“Expiações Coletivas”. Diz o texto que (…) “salvo alguma exceção, pode-se admitir como regra geral que todos aqueles que numa existência vêm a estar reunidos por uma tarefa comum já viveram juntos para trabalhar com o mesmo objetivo e ainda reunidos se acharão no futuro, até que hajam atingido a meta, isto é, expiado o passado, ou desempenhado a missão que aceitaram”.

“Graças ao Espiritismo, compreendeis agora a justiça das provas que não resultam de atos da vida presente, porque já vos foi dito que é a quitação de dívidas do passado; por que não ocorreria o mesmo com as provas coletivas? Dissestes que as infelicidades gerais atingem o inocente como o culpado; mas sabeis que o inocente de hoje pode ter sido o culpado de ontem? Que tenha sido atingido individualmente ou coletivamente, é que o mereceu”.

(…) “São essas faltas coletivas que são expiadas coletivamente pelos indivíduos que para elas concorreram, os quais se reencontram para sofrerem juntos a pena de talião, ou ter a ocasião de repararem o mal que fizeram, provando o seu devotamento à coisa pública, socorrendo e assistindo aqueles que outrora maltrataram. O que é incompreensível, inconciliável com a justiça de Deus, sem a preexistência da alma, se torna claro e lógico pelo conhecimento dessa lei.

“A solidariedade, que é o verdadeiro laço social, não está, pois, só para o presente; ela se estende no passado e no futuro, uma vez que as mesmas individualidades se encontraram, se reencontram e se encontrarão para subirem juntas a escala do progresso, prestando-se concurso mútuo. Eis o que o Espiritismo faz compreender pela equitativa lei da reencarnação e a continuidade das relações entre os mesmos seres”.

Joanna de Ângelis, na obra Após a tempestade, enfatiza que “mentes vinculadas entre si por estranhas amarras de ódio, ciúme e inveja que incendeiam paixões, são reunidas novamente em vidas futuras, atravessando os portais da Imortalidade, através de resgates coletivos, como coletivamente espoliaram, destruíram, escarneceram, aniquilaram…”

“Na provação coletiva verifica-se a convocação dos espíritos encarnados, participantes do mesmo débito, com referência ao passado delituoso e obscuro.

O mecanismo da justiça, na lei das compensações, funciona então espontaneamente, através dos prepostos do Cristo, que convocam os comparsas na dívida do pretérito para os resgates em comum, razão porque, muitas vezes, intitulais “doloroso acaso” às circunstâncias que reúnem as criaturas mais díspares no mesmo acidente, que lhes ocasiona a morte do corpo físico ou as mais variadas mutilações no quadro dos seus compromissos individuais” (Emmanuel, em O Consolador – nº 250).

Kardec afirma que “a misericórdia de Deus é infinita, mas não é cega. O culpado que ela atinge não fica exonerado e, enquanto não houver satisfeito à justiça, sofre a consequência dos seus erros (O Céu e o Inferno – 1ª Parte – Capítulo VII – Código Penal da Vida Futura).

Portanto, todos os envolvidos no acidente são Espíritos que se reencontraram e, certamente, em grupo, necessitaram de uma reencarnação expiatória, regressando à Dimensão Espiritual não mais como algozes, agora como vítimas completamente reajustadas.

Na próxima reencarnação, retornarão para a devida reparação, desde que a reabilitação moral a ser conseguida a exige, depois da passagem pelos patamares do arrependimento e da expiação. Em verdade, a falta de reconciliação com o adversário leva a uma prisão a ser paga até o último ceitil (Mateus 5:26), em consequência de infração às leis de Deus que estão inseridas na própria consciência (O Livro dos Espíritos – questão 621).

Diz o ditado popular que se semear vento, a colheita será a tempestade.

Quem pratica o mal sofrerá as consequências dos seus atos ou atitudes, porquanto, dentro de si mesmo, vigorará um julgamento, em cumprimento das leis que exigem a premente reeducação do infrator, devolvendo-lhe exatamente o que tenha logrado criar de ruim. O Planeta Terra é um educandário ideal, onde a justiça infalível atua como uma bondosa mestre, proporcionando ao ser a oportunidade de aprendizado através de seus próprios passos, expiando e reparando a falta cometida. Assim fazendo, conseguir-se-á a alforria ansiada e nunca o desapiedado “sofrimento eterno”.

 

Facebook Comments