10 coisas “espirituais” que as pessoas fazem e são uma total besteira

Pessoas fazem. Ninguém nunca me disse que a espiritualidade poderia ser uma armadilha de autossabotagem do ego. Eu passei três anos lendo sobre ensinamentos espirituais e os incorporando em minha vida, antes de aprender que a espiritualidade tem um lado sombrio.

A resposta tem a ver com algo que os psicólogos chamam de escape espiritual.

 

No começo da década de 1980, o psicólogo John Welwood cunhou o termo “ escape espiritual ” para se referir ao uso de práticas espirituais e crenças para evitar o confronto com sentimentos desconfortáveis, feridas não resolvidas e necessidades emocionais e psicológicas fundamentais.

De acordo com o psicoterapeuta Robert Augustus Master, o escape espiritual faz nós nos retirarmos de nós mesmos e de outros, a nos esconder atrás de um tipo de máscara espiritual de crenças e práticas metafísicas. Ele diz :

“ Não apenas nos distancia da nossa dor e nossos problemas pessoais, mas também da nossa própria espiritualidade autêntica, nos prendendo em um limbo metafísico, uma zona de gentileza exagerada, bondade e superficialidade ”.

Percepções dolorosas :

meu próprio escape espiritual Autossabotagem espiritual Autossabotagem espiritual Autossabotagem espiritual No livro inovador de Robert Augustus Masters, “ Spiritual Bypassing : When Spirituality Disconnects Us From What Really Matters ”, ele escreve :

Os aspectos do escape espiritual incluem desapego exagerado, anestesia emocional e repressão, excesso de ênfase no positivo, raivafobia, cegueira ou compaixão tolerante demais, limites fracos ou muito pobres, desenvolvimento desequilibrado ( a inteligência cognitiva geralmente está bem à frente da inteligência emocional e moral ), julgamento prejudicado sobre a negatividade ou o lado sombrio de alguém, desvalorização do pessoal em relação ao espiritual e a ilusão de ter alcançado um nível mais alto de ser.

Eu encontrei o conceito de escape espiritual pela primeira vez no trabalho de Masters.

Conforme continuei refletindo sobre o escape espiritual, eu percebi cada vez mais aspectos inconscientes da espiritualidade, e percebi que eu estava, sem saber, colocando em prática vários deles em determinados momentos. Elas me ajudaram a parar de usar uma forma distorcida de “ espiritualidade ” como um levantador de ego e a começar e ter mais responsabilidade para direcionar minhas necessidades psicológicas e os problemas que surgem na minha vida.

A melhor maneira de entender o escape espiritual é através de exemplos, então agora é hora de um pouco de “ amor bruto ”.

O objetivo aqui não é julgar, mas aumentar a autoconsciência para progredir em direção a uma espiritualidade mais honesta, capacitada e útil. Autossabotagem espiritual Autossabotagem espiritual Autossabotagem espiritual Algumas pessoas se sentem superiores porque leem Alan Watts.

Ou praticam yoga ou meditação. Perceba que eu não estou dizendo nada sobre o valor de participar destas atividades.

Eu adoro Alan Watts e acho que a meditação é bastante benéfica.

O que estou dizendo é que é perigosamente fácil permitir que suas ideias e práticas espirituais se tornem uma armadilha do ego

– acreditar que você é tão melhor e mais iluminado do que todo aquele “ povo – gado ”, porque você está fazendo todas essas coisas radicais.

Em última análise, esse tipo de atitude em direção à “ espiritualidade ” não é melhor que acreditar que você é melhor que todo mundo porque você é um Democrata ou um fã dos Lakers. Essa disfunção, na verdade, inibe a espiritualidade genuína, fazendo nos focar em ser melhor que outras pessoas, ao invés de cultivar um senso de conexão com o cosmos, sentindo uma maravilha poética com a sublime grandeza da existência.

Usar “ espiritualidade ” como justificativa para o fracasso ao assumir a responsabilidade dos seus atos. Autossabotagem espiritual Autossabotagem espiritual Autossabotagem espiritual

Facebook Comments