O Umbral Foi Realmente Desativado?

Umbral Foi Realmente. A possibilidade do Umbral incitar constantemente o interesse entre espíritas e não-espíritas.

O Umbral Foi Realmente Desativado?

Desde que o médium Francisco Cândido Xavier, anteriormente, descobriu a presença do Umbral no livro Nosso Lar, em 1944, numerosos indivíduos fizeram um interesse específico sobre o assunto.

Assine a nossa Newsletter



Um limite pode ser caracterizado como uma zona ou local inestimável onde, por propensão e sintonização, os espíritos são apanhados nas consequências de suas próprias atividades, sentimentos e reflexões negativos.

Este é o lugar em que os indivíduos incorpóreos se deparam e não conseguem se libertar de inúmeros sentimentos, como mágoa, culpa, desprezo, desprezo, indignação, desejo, conexão, angústia, tormento, angústia, insatisfação, decepções e assim por diante.

Seria, de certa forma, um local extrafísico onde os espíritos de menores afinidades e vibrações se uniriam na vibração de reflexões e interesses.

Seja como for, nos trabalhos do próprio André Luiz, assim como em diferentes obras de referidos espíritos, a borda é considerada como uma zona mental não muito física, onde as contemplações dos espíritos – manifestas ou desencarnadas

– fazem a ideia de quadros que são simplesmente feitos fotos. pela mente criativa, vibração e vitalidade mental que alimentam essas manifestações psicológicas.

Para o umbral normalmente os espíritos cuja vibração é excepcionalmente baixa são atraídos pela compaixão;

espíritos que cometeram erros terríveis ao longo da vida cotidiana ou que são atraídos por interesses, vícios, sexo, drogas, depravações, atos insidiosos e uma ampla gama de características medíocres, por exemplo, orgulho, egocentrismo, vaidade, pavor, profunda miséria, e assim por diante.

Muitas vezes esta “viagem” ao limite depois da desencarnação é obrigatória e automática.

A alma atrai a si mesma essa condição psico-profunda através de seus comportamentos ao longo da vida cotidiana e de suas considerações mais particulares.

Como por causa de André Luiz, que foi puxado para o limite por causa de sua vida materialista e incrível excesso, muitos de nós terminamos nesta “condição diabólica” por causa da nossa hesitação em renunciar aos interesses materiais.

Numerosos espíritos no limite suportam questões difíceis de voz mansa e delicada, prejudicadas pelo juiz mais terrível que podemos ter que enfrentar: nós mesmos.

A culpa, o ultraje e até mesmo o sentimento de vingança e desobediência fazem dos espíritos umbrinos – espíritos que por algum tempo foram perdidos no limite

– oficiais entusiastas da caminhada contrários ao desenvolvimento.

Nós poderíamos EVITAR O UMBRAL?

No entanto, não há propósito por trás da miséria, há um caminho para não “ir” até a borda e é muito básico.

Não é tão simples, no entanto, o importante é ter atitude positiva e garantia. Com a chance de nos tornarmos isolados do mundo material, carregados de sentimentos positivos, não dando espaço para ciúmes, presunção, voracidade e orgulho, talvez não precisemos experimentar essa fase degradante da alma.

O procedimento de transformação não oscila, cada progressão é feito gradualmente e não seria distinto da nossa mudança acolhedora.

É significativo que estejamos atentos aos nossos quadros mentais e considerações

– Ore e Observe

– o Mestre Jesus nos avisou anteriormente.

Os indivíduos que imploram estão em constante contato com o plano profundo superior, e os indivíduos que são cuidadosos estão constantemente atentos a seus comportamentos em relação às preliminares e espiões do tecido.

Para nos compensar com os erros cometidos no passado, temos que acertar o presente com o objetivo de localizar um eventual destino de favores e prazeres.

Dependendo da provisão perfeita e fazendo a nossa parte no procedimento transformativo, é a abordagem mais ideal para se manter longe do Umbral e as circunstâncias agonizantes que tiramos de encontros perturbadores de irmãos que nos apresentaram suas testemunhas mediúnicas.

Vamos, consequentemente, começar agora e nos exemplos futuros previsíveis de sobrevivência, generosidade e re-tentativa. Vamos, consequentemente, fazer nossa reorganização interior com séria modéstia e a busca por recuperação.

O limite é apenas o nosso defeito sendo coletado através das decisões que tomamos durante a nossa manifestação presente, para que você possa ficar longe dele basicamente seguindo a Cristo, nosso caso mais notável de perfeição na terra.

Fontes: Livro dos espíritos , Allan kardec

Facebook Comments