CRISTOS PLANETÁRIOS Hierarquia Celeste – Haroldo Dutra Dias

A questão das origens sempre excitou a curiosidade,

CRISTOS PLANETÁRIOS Hierarquia Celeste – Haroldo Dutra Dias


sobretudo no que respeita à procedência do homem, e em tal
proporção que hoje é impossível às criaturas sensatas aceitarem ao
pé da letra o relato bíblico, nele vendo apenas uma dessas alegorias
de que é pródigo o estilo oriental.

CRISTOS PLANETÁRIOS

Aliás, a Ciência vem oferecer-lhe
a prova ao demonstrar, mas por meios irrefutáveis, a impossibilidade
material da formação do globo em seis vezes vinte e quatro horas.

Ante a evidência dos fatos, escritos em caracteres irrecusáveis nas
camadas geológicas, mas a Igreja teve de se submeter à opinião dos
sábios e com eles concordar que os seis dias da Criação representam
1 N. do T.:

Essa teoria é aqui apresentada como simples hipótese e a
título de ensaio, tendo em vista provocar o exame da questão.

Faltava,

então, a Allan Kardec, elementos bastantes para uma afirmação
peremptória. Mais tarde, já havendo passado pela prova do controle
universal, foi ela inserida em A Gênese, capítulo XI, item 43 e
seguintes, integrando, definitivamente, o corpo doutrinário do
Espiritismo.

É por isso que dissemos, na introdução ao volume I

(1858
– Notas do Tradutor), que a Revista Espírita era uma espécie de
tribuna livre, na qual Allan Kardec sondava a reação dos homens e a
impressão dos Espíritos acerca de determinados assuntos, ainda
hipotéticos e mal compreendidos, enquanto lhes aguardava a
confirmação.

2 Nota da Editora: Ver “Nota Explicativa”, p. 529.
REVISTA ESPÍRITA
16
mas seis períodos de extensão indeterminada, como fizera outrora em
relação ao movimento da Terra.

Se, pois, o texto bíblico é
susceptível de interpretação quanto a este ponto capital, também
poderá sê-lo em relação a outros pontos, notadamente sobre a
época do aparecimento do homem na Terra, sua origem e o sentido
que deve ser atribuído à qualificação de anjos decaídos.

Como o princípio das coisas está nos segredos de Deus,
que no-lo não revela senão à medida que o julga conveniente,
ficamos reduzidos a conjecturas.

Muitos sistemas foram

imaginados para resolver esta questão, mas nenhum, até hoje,
satisfaz completamente à razão.

Tentaremos, também, levantar uma
ponta do véu.

Seremos mais felizes do que os nossos antecessores?
Ignoramo-lo; só o futuro dirá.

A opinião que apresentamos é, pois,
uma opinião pessoal; parece concordar com a razão e a lógica,

mas o que, aos nossos olhos, lhe dá certo grau de probabilidade.

Fonte: Revista Espírita 1862

Facebook Comments