Dormir de Calcinha ou Cueca Pode Trazer Problemas na Espiritualidade?

A Doença como Caminho levou a alguns mal-entendidos. 

 Você Que vai dormir de Calcinha ou Cueca Saiba As Consequências Espirituais

Veja:

Cura Espiritual da Depressão Curar os Chacras

Perseguições espirituais

Ele deve ser encarado de maneira absolutamente literal e sem qualquer atributo de valor.

A doença é um caminho que pode ser percorrido, nem bom nem mau em si mesmo.

O que fazer a respeito depende única e exclusivamente do afetado. Eu vivenciei com uma série de pacientes como eles percorreram conscientemente esse caminho e puderam constatar retrospectivamente que “seu excesso de peso”, “seu infarto do miocárdio” ou até mesmo “seu câncer” transformaram-se em uma grande oportunidade.

Hoje é preciso assumir que foi seu infarto do miocárdio que levou santa Teresa de Ávila a percorrer o caminho que percorreu.

Sabemos quão intimamente as visões de Hildegard von Bingen estavam ligadas à sua enxaqueca.

Estas duas mulheres extraordinárias evidentemente receberam as mensagens transmitidas por seus sintomas e transformaram suas vidas de maneira exemplar.

É isso exatamente o que exige A Doença como Caminho:

aprender e crescer a partir dos próprios sintomas. Utilizar mal esse conceito e a filosofia que subjaz a ele é um grande mal entendido.

O esoterismo não tem nada a ver com a atribuição de culpa, tratando-se, tal como esta explicitado extensamente no primeiro volume, de que cada pessoa é fundamentalmente culpada por ter se separado da unidade.

Ser culpado não é uma questão de pequenas ou grandes faltas cometidas na vida cotidiana, mas de algo fundamental.

A culpa humana primordial reside no abandono da unidade paradisíaca.

A vida neste mundo de opostos é necessariamente cheia de faltas e serve para que se reencontre o caminho de volta à unidade.

Cada falta e cada sintoma significam elementos que faltam para a perfeição, transformando-se em oportunidades de desenvolvimento.

Distorcer o significado da doença para avaliar outras pessoas é um mal entendido sob vários pontos de vista.

Ele não pode servir para a atribuição de culpa, já que a culpa primordial foi distribuída há muito e não precisa de nenhuma colaboração humana.

Da mesma forma, poderíamos congratular os afetados por suas doenças devido às possibilidades de desenvolvimento e aprendizado nelas contidas.

Os assim chamados “primitivos” estão bastante mais avançados que nós nesse sentido, já que consideram os sintomas da doença como golpes do destino em suas vidas, e os aceitam de bom grado como provas.

Em muitas tribos, o candidato a xamã sofre sua doença de iniciação, único meio que pode introduzi-lo em novos campos de experiência.

Às vezes esse pensamento é seguido de maneira tão conseqüente que um curandeiro somente pode tratar aqueles sintomas que ele mesmo padeceu de corpo e alma.

Essa postura é forçosa caso se entenda o curandeiro como sendo um guia de almas pelos mundos interiores, já que, afinal, um guia de viagens deveria conhecer de antemão o país através do qual guia os outros.

Entre nós existem somente traços dessa maneira de pensar. Assim, em alemão se reconhece a “cura enviada” (geschickte Heil, do latim salus = Heil) na palavra destino (Schicksal).

Dever-se-ia pensar também nas provas de medicamentos dos homeopatas.

Nesse caso, o médico penetra de livre e espontânea vontade no âmbito de experiências da doença para reconhecer o padrão de seu medicamento, ou meio de cura.

E finalmente esperamos com razão que um psicoterapeuta tenha viajado extensamente pelos países anímicos próprios e coletivos e que saiba aonde está acompanhando seu paciente.

Acusar o fato fundamental e que nos une a todos, o estar doente de uma pessoa, uma difícil época de aprendizado com as correspondentes oportunidades de crescimento, não leva a lugar algum. Isso, pelo menos, não tem nada a ver com “a doença como caminho”, e sim com o desejo de atormentar alguém.

Quem transforma seu dedo indicador em arma e, “interpretando” seus sintomas, incrimina outras pessoas ou culpa a si mesmo em relação a isso, dá a entender além do mais que compreendeu mal todo o principio.

O mau uso da interpretação como incriminação, segundo o lema “você está com prisão de ventre porque

é um tremendo de um avarento!”, implica no desconhecimento do caráter de sombra que existe em cada sintoma de uma doença.

Por definição, sombra é o que é inconsciente para o afetado.

Por isso mesmo, a pessoa incriminada dessa maneira não poderá de modo 12 algum aceitar a interpretação.

Se ela soubesse que é avarenta, não haveria a menor razão pata que tivesse prisão de ventre.

A sombra não assume o ataque. Ao contrário, é preciso proceder com extrema cautela neste que é o tema mais difícil de nossa existência.

O afetado precisa de toda a sua energia e de muito espaço em termos de ambiente para, de pequeno

passo em pequeno passo, descobrir sua relação com o tema expresso no sintoma da doença.

Para isso a valoração é tão prejudicial quanto a interpretação é significativa.

Quem culpa a si mesmo dessa maneira deixa igualmente de reconhecer as oportunidades de crescimento da doença.

Ver o plano da alma através do sintoma não muda nada nem devido à culpa fundamental nem devido

aos fatos concretos do problema em questão.

Isso tampouco faz com que uma pessoa se tome melhor ou pior; ela se toma única e exclusivamente mais sábia e com mais consciência de responsabilidade.

Caso se ignore esse conhecimento e a responsabilidade nele implícita, pouco muda, tudo continua como antes.

Caso contrário, se assume a responsabilidade pelo próprio destino, a doença transforma-se em oportunidade e

possibilita responder às indicações do próprio padrão.

O procedimento para isso não é de forma alguma difícil.

Qualquer um pode indicar na superfície do corpo, ou seja, colocar o dedo sobre o lugar que lhe causa incômodos.

Dormir experiência com o plano anímico.

O objetivo deste livro é relacionar essa experiência com o plano anímico.

Apontar com o dedo corpóreo era tão óbvio antes quanto o é agora. Trata-se de colocar o dedo na ferida em sentido figurado.

Isso exige coragem, mas nem tanta assim, pois a ferida já está lá. Ela não surge no momento em que se coloca o dedo sobre ela, somente se torna mais consciente.

Através desse passo corajoso obtém-se, a longo prazo, a possibilidade de curar-se.

Veja

Tomar bebidas alcoólicas atraímos espíritos perturbados?

 Desde a mais remota data a humanidade está envolvida com o alcoolismo.
Facebook Comments

Deixe uma resposta