O Espírito Pai João de Aruanda Explica Sobre a Magia

O verbo na letra de João materializa o pensamento Divino na creação do Universo, nos dando às primeiras pistas de um poder oculto, sendo assim, é possível concluir que tudo que vemos, ouvimos, sentimos no plano objetivo tem sua origem no imponderável.  

Com o desenvolvimento da consciência o homem cada vez mais se aprimora moral e intelectualmente, adquirindo assim discernimento e inteligência, podendo fazer suas escolhas e optar em sintonizar com o creador ou afastar-se do mesmo, tornando-se por muitas vezes diabólico, abusando das forças da natureza para satisfazer suas mais ignóbeis paixões.  

Partindo do princípio de que “A cada um será dado conforme suas obras” e que “Até mesmo os fios de nossos cabelos estão contados”, aquele que abusa não tardará em receber sua recompensa centuplicada, bem como aquele que escolheu o caminho da Luz, recebendo como fruto de seu esforço a ascensão sideral.  

Veja:

Magia para uma compreensão maior sobre assunto 

Para uma compreensão maior sobre assunto tão complexo, se faz necessária algumas observações iniciais de cunho conceitual, que possibilitem um entendimento mais completo.  

Prana: É uma palavra de origem indiana que quer dizer energia absoluta ou universal podendo ser chamado também de energia vital ou bioenergia, sendo o sol a maior fonte de prana vital.  

Magia Mental

Magia  

“Podemos arrojar de nós a energia atuante do próprio pensamento, estabelecendo, em torno de nossa individualidade, o ambiente psíquico que nos é particular.”   

 

“Nossa mente é, dessarte, um núcleo de forças inteligentes, gerando plasmas sutil que, a exteriorizar-se incessantemente de nós, oferece recursos de objetividade às figuras de nossa imaginação, sob o comando de nossos próprios desígnios.  

“A magia mental pode ser ainda mais prejudicial do que através da palavra, pois é elaborada demorada e friamente sob o calculismo da consciência desperta, em vez do produto emotivo do instinto incontolável.”   

 

Imprescindível lembrar que mesmo estes irmãos temporariamente enganados em seus desígnios, também são candidatos a perfeição, necessitados de auxílio, carinho e amor, mas jamais podemos esquecer de que na execução da corrigenda benéfica precisamos de todos estes sentimentos empregados com firmeza e disciplina.  

“As ondas mentais, astralinas e etéricas viajam pelo mundo oculto até a pessoa visada, no seu impacto enfeitiçante e penetram-lhe na fisiologia do corpo provocando enfermidades.”   

Ramatis – Magia de Redenção.  

Conforme o próprio Ramatis afirma, a magia mental pode ser mais prejudicial sim, pois quando acontece um desentendimento entre duas pessoas e ocorre o comum desabafo verbal, se desfaz mais rapidamente o fruto dos pensamentos enfermiços provocados pelas emoções descontroladas, ao passo que quando realizado de forma premeditada e fria, a elaboração da corrente enfermiça tem mais vivacidade, e por conseqüência, pode trazer mais prejuízos aos envolvidos.  

Importante atentar para a força do nosso pensamento, como Ramatis nos esclarece, mesmo quando lançado a esmo provoca ação no cosmo, portanto, mesmo inconscientemente estamos projetando pensamentos e indubitavelmente alcançando aqueles a quem nos dirigimos, tanto para o bem quanto para o mal, a melhor receita ainda é a dada pelo mestre.  

Como funciona a magia mental?  

A ação mental e dinâmica do mago, sobre o campo físico dos objetos e seres destinados à função censurável de acumuladores magnéticos de enfeitiçamento, também se propaga pelo duplo etérico dos mesmos, obediente a lei de atração e coesão magnética.  

Os fluidos acumulados em tais objetos, sob a lei de atração recíproca dos semelhantes, vinculam-se à aura do duplo etérico da vítima e disseminam-se pelo seu periespírito, causando enfermidades e perturbações, que desarticulam o controle intuitivo dos guias sobre a pessoa enfeitiçada.  

Esta força mental positiva que possuem certos magos provém de iniciações feitas no passado em antigos templos iniciáticos como no Egito, na Índia ou Caldéia, trata-se muitas vezes de entidades que não reencarnam há milênios.  

Magia verbal  

Magia

Por isso é tão recomendado pelo Mestre que o que contamina o homem não é o que entra, mas o que sai pela boca, pois o que sai provém do coração.  

A disciplina na utilização do verbo é muito importante para construção da nossa própria felicidade, e de extrema importância para quem tem como tarefa a mobilização de fluidos curadores, pois o verbo mal utilizado corrompe estes fluidos tornando a atuação do médium praticamente nula na tarefa que se propôs.  

Ramatis nos esclarece que quanto mais alimentamos um pensamento, repetimos determinadas palavras imbuídas de nossos sentimentos, maior força concentra-se em torno de nós mesmos, sendo assim o efeito torna-se cada vez maior, tanto para o bem, quanto para o mal.  

Exemplos de magia verbal  

..Nas recordações que se lhe haviam cristalizado no mundo mental, senti-lhe o drama interior.  

Fora musculoso estivador no cais, alcoólatra inveterado que, certa feita, de volta a casa, esbofeteou a face paterna, porque o velho genitor lhe exprobrara o procedimento.  

Ouvindo tais palavras que se fizeram seguidas por terrível jacto de força hipnotizante, o mísero tornou à via pública, sugestionado pela maldição recebida, bebericando para esquecer.  

Em seguida, fixando sobre ela as irradiações que lhe emanavam do temível olhar, asseverou, peremptório:   

 

medida que repetia a afirmação, qual se procurasse persuadi-la a sentir-se na condição do irracional mencionado, notei que a mulher, pro­fundamente influenciável, modificava a expressão fisionômica.  

André Luiz – Libertação  

Não é preciso ser um mago para concentrar a desgraça na palavra que maldiz o próximo, basta ser perverso.  

“Cada letra, ou sílaba, além de sua ação vibratória no campo mental, astral e etérico do homem, ainda repercute em determinada região ou zona do seu corpo físico”.  

“Os magos conseguiam aumentar a produção dos sucos gástricos, fermentos pancreáticos e bílis, inclusive acelerar os batimentos cardíacos, elevar a pressão, a temperatura e relaxar os nervos, pronunciando determinadas palavras.”   

 

“Da mesma forma há os mantras, palavras abençoadas, chaves mágicas do passado, que ajudam a desenvolver corretamente os chácaras etéricos, pela sua sonora combinação mental, astral, etérica e física.”   

 

“Adolf Hitler, mediunizado pelos mentores das sombras, usou e abusou da força da palavra no evento nazista, praticando a magia verbal mais chocante e pernicioso da história do mundo.”   

 A Magia através de objetos  

“Eles (magos) dinamizam a energia ou o potencial elétrico contido na intimidade dos mesmos, produzindo as combinações fluídicas que depois se projetam funestamente através dos endereços vibratórios.”   

 

Desde a velha Atlântida, o homem teve sua capacidade mental reduzida pelo mau uso que fez destes Arcanos da natureza, também devido as sucessivas reencarnações que tornam cada vez mais difícil a lembrança dos conhecimentos adquirido através dos milênios trataram de reduzir as habilidades dos magos, por isso, ainda é realizado na face da terra magia utilizando estas verdadeiras bengalas psíquicas que são os objetos, eles auxiliam no direcionamento e na concentração das energias da mente para determinado fim.  

Deixamos vestígios espirituais, onde arremessamos os raios de nossa mente, assim como o animal deixa no próprio rastro o odor que lhe é característico, tornando-se, por esse motivo, facilmente abordável pela sensibilidade olfativa do cão.  

Por isso a importância de quando perdermos determinado objeto não continuar pensando naquele objeto, importante para ao menos dificultar o acesso de possíveis agressores, que podem nos localizar através destes objetos.  

Podem mobilizar e acasalar forças incomuns aos sentidos físicos, interferir malevolamente no corpo dos encarnados, acidentando-lhes as emoções ou alterando-lhes o campo mental, como é o caso de obsessão.”   

Através de rituais 

“Através de rituais que serviam para dinamizar essa vontade e aglutinar os campos de energias poderosas para “eletrizar”

os trabalhos, eles transformavam objetos, aves e animais, conforme o quisessem, em fontes catalisadoras de fluidos

benfeitores ou maléficos.  

O ritual praticado pelo feiticeiro é o mecanismo de exaltação de sua vontade malévola, enquanto os objeto enfeitiçados ou

encantados desempenham a função de acumuladores ou condensadores de forças magnéticas, que funcionam no plano

físico e etéreo-astral.  

Conforme seja o preparo no rito de enfeitiçamento, tais objetos podem funcionar à guisa de condensadores captando as

energias em torno do ambiente da pessoa enfeitiçada, e depois baixando a frequência vibratória até tornar-se enfermiça

ou constritiva.  

Isto lembra o que acontece com certos aparelhos de rádio, cuja má qualidade receptiva ou péssimo funcionamento então

distorcem, enrouquecem ou inferiorizam a música executada e transmitida, de modo límpido, pela estação radiofônica.”   

Os reinos utilizados na magia  

“Qualquer corpo ou coisa pode ser transformado em “acumulador” ou “condensador” de força maléfica, e servir de base na

magia independentemente da sua constituição física.  

Daí, o motivo de encontrar-se no processo de magia medalhas, moedas, agulhas, abotuaduras, brincos, canivetes,

chaves, correntes, braceletes, anéis, emblemas, distintivos ou piteiras, que firmam as energias do reino mineral;  

grãos de milho e habitualmente cereais, certos tipos de palhas, ervas tóxicas, raízes de odor agreste, raspas de madeira

de boa condutividade Elétrica, como o cedro, olmo ou os raios e coriscos, os quais representam as forças do reino vegetal,

cabelos, sangue, urina, resíduos humanos, ossos de defunto, sebo, penas arrancadas de aves ou crina de animais, que

asseguram o vínculo dinâmico do reino animal.”   

 

“O objeto da magia é a vida em suas variadas formas e em todas as dimensões, espíritos de todos os seres, incluindo

também os espíritos da natureza: gnomos, silfos, salamandras, ondinas, sereias, fadas e muitos outros.  

Dentre as forças ou energias naturais de que se serve os magos, podemos citar as planetárias, a energia das cachoeiras e

do mar, a força dos ventos, da nevasca, das avalanches;  

Bonecos de Cera  

“Os bonecos são confeccionados com cera virgem, substância que é produzida pelas abelhas e impregnada da energia

vigorosa das flores, como é o perfume.”   

 

“De principio, o hipnotizador deve convencer o “sujet” de que sua energia vital ou seu duplo etérico irá se transferir para o

boneco de cera, em seguida coloca o referido boneco entre as mãos do “sujet”, ordena-lhe, imperiosamente, a

transferência vital ou prolongamento energético.  

“Os magos, com o auxílio de desencarnados, pode acelerar ou dinamizar o campo atômico de objetos e metais, como

moedas de cobre, níquel, prata, chave de bronze, coisas de zinco, de cádmio, pregos de ferro e agulhas de aço, lançando

os traços radioativos dos mesmos sobre a aura da vítima enfeitiçada.”   

 

“Os traços radiantes de metais, que são projetados sobre o campo áurico da vítima enfeitiçada, depois

baixam vibratoriamente para o estado radiante, liquido e sólido, através da sucção dos chácaras ou duplo etérico e

penetram na circulação sanguínea pelo sistema nervoso e endócrino, intimamente ligado com o mundo etéreo-astral.  

“Em seguida, o sistema nervoso conduz a carga mórbida ainda fluídica até a glândula hipófise, a regente da organização

humana, ali polarizando-se até convergir lentamente em direção às tireóides, paratireóides, fígado, supra-renais, pâncreas

e adere ao sangue quando atinge o baço.”   

Ervas, defumação e fumo  

“No futuro, a botânica também demonstrará, cientificamente, que durante a queima de ervas odorantes desprendem-se

energias ocultas, potencializadas no éter vegetal que podem afastar os maus fluidos dos ambientes onde atuam.”   

 

“Todo o potencial que se elabora no seio da planta, durante os meses de sua vivência no solo seivoso da terra, depois é

liberto em alguns minutos de defumação, projetando em torno um potencial de forças, que, além de sua manifestação

propriamente física, ainda desagrega miasmas e bacilos astralinos disseminados no ambiente humano.”   

 

“Durante a queima de ervas produzem-se reações agradáveis ou desagradáveis no mundo oculto, porque além de sua

propriedade física, elas também libertam outras energias provenientes do armazenamento do éter e do magnetismo físico

no duplo etérico vegetal.”   

 

Os pretos velhos, tarimbados na velha magia africana, concentram o campo de forças do tabaco incinerado, e através do

sopro praticam uma espécie de “ionização” rudimentar, mas proveitosa, capas de acelerar a função canalizadora do

perispírito.”  

Hoje é conhecida a possibilidade de ionização do ambiente através do pensamento.  

As ervas libertam forças que se acumulam durante a germinação e o crescimento, e depois bombardeiam a aura humana

sobrecarregada de fluidos nocivos, desintegrando os centros de convergência mórbida.  

Caso o indivíduo esteja sintonizado com um processo de culpa qualquer, o dano será mais intenso, pois que o fluido

mórbido transposto para sua aura afetará também a periferia do corpo físico, e não somente o campo mental ou

psíquico.”   

 

Estes “aparelhos eletrônicos” não estão apenas a serviço do mal, pois podem ser utilizados como medida terapêutica para

o tratamento de doenças graves e até mesmo como incentivadores psíquicos para potencializar a confiança e a saúde dos

consulentes conforme visto em seminário realizado pela Casa do Jardim, onde este assunto foi foco de palestra ministrada

pelo expositor Mario com o título de: “Micro-organizadores”.  

Desmanche de Magia  

“É aconselhável que a própria pessoa visada no enfeitiçamento destrance roupas, desamarre cordões, fitas de pano ou

coroa de penas e depois submeta esse material a uma lavagem de álcool, ou solução de sal grosso, atirando-o à água

corrente, livre das amarras fluídicas.”   

 

“Por isso os objetos de magia perdem sua imantação nociva e enfeitiçante, quando atirado à água corrente antes

do por do sol, pois são bombardeados pelos raios infravermelhos na sua contextura etérica e pelos raios verdes na

contextura astralina.”   

 

É preciso, portanto, desdobrar os médiuns e trazer ao ambiente da reunião mediúnica os elementos e objetos utilizados no

astral, que são as matrizes energéticas, e queimá-las, destruindo e revertendo a polaridade magnética dos ditos

encantos.  

Consequências morais da magia  

“Infeliz e desgraçada a criatura que movimenta as forças criadoras para fins destrutivos, pois ele às recebe de volta

centuplicadamente no seu potencial energético.”   

 

Traduzindo, qualquer ser encarnado pode ser alvo de magia negra, em maior ou menor grau, sabemos a natureza dos

espíritos que habitam o planeta, conforme Allan Kardec são espíritos “exóticos”, oriundos de outros planetas, onde não

conseguiram acompanhar principalmente o adiantamento moral dos orbes onde habitavam, automaticamente espíritos em

débito com a LEI.  

Magia com Pai João de Aruanda

“Indubitavelmente, enquanto a carga de bruxaria adere facilmente à aura das criaturas demasiadamente pessimistas, ela

encontra sólida resistência quando projetada sobre espíritos otimistas e sadios, cujo modo de viver e pensar eufórico

espanca os fluidos mais enfermiços.”   

 

Todas as paixões humanas são combustível para a prática da magia contra a humanidade a partir do mundo oculto, o que

permite dizer que a culpa é da própria humanidade.  

Amai-vos uns aos outros como eu voz amei!  

Certamente a manipulação de energias não pode ser conduzida por pessoas despreparadas, sem o mínimo de Evangelho

introduzido no íntimo do ser, ao preço de acumular dívidas cármicas severas que poderão levar milênios para se

dissolver a custa de muitas reencarnações, dor e sofrimento pelas consequências dos atos impensados do passado.  

melhor é primeiro haver uma preparação do ponto de vista moral, logo após, utilizar as forças da natureza a favor da

humanidade, sendo o único propósito o bem do próximo fazendo de nossas vidas um instrumento da paz do Cristo.

Facebook Comments

Deixe uma resposta