Por que nasci nessa família?

Por que nasci nessa família?

Por que nasci nessa família?

Sempre comento com meus clientes sobre a propaganda de margarina em que a família reunida e sorridente, mostra toda sua felicidade, em volta da mesa.

Alguns dias são assim, outros nem tanto e muitos são bem diferentes dessa imagem que assistimos na televisão.

A família é o reduto de nossos maiores conflitos e também de afinidades e laços de amor eterno.
Os relacionamentos familiares nos colocam na prática da convivência e do amor incondicional, permitindo exercitar qualidades e dissolver sombras em luz.

Ela apresenta em sua árvore ancestral, uma história de várias encarnações, em que nos reencontramos com os mesmos espíritos, em variadas condições.

O seu filho pode ter sido seu avô em outra vida, seu marido hoje pode ter sido seu filho ontem, sua inimiga de ontem, sua filha de agora.

As pessoas têm alguma dificuldade em aceitar o contexto reencarnatório familiar, porque acham muito estranho que um filho tão amado nesta vida, possa ter sido um algoz em outra.
Eu acho uma benção ao coração que sofre, conceber este sentido à vida, que explica as origens dos vínculos e seus conflitos.

Por isto o véu do esquecimento é tão importante, para que tenhamos exatamente esta oportunidade de aprender a amar ao outro, desfazendo qualquer resquício de ódio ou vingança do passado.
Não seria muito agradável você conviver hoje na mesma casa que seu inimigo de ontem.
Do cotidiano familiar surgem muitos traumas que não teriam uma razão adequada, se não uma estupidez humana imperdoável.
A lei das reencarnações faz perceber que a ordem cronológica terrena é bem diferente dos ciclos espirituais.
Esta é a grande sacada para o entendimento das vidas sucessivas e dos reencontros espirituais no núcleo familiar.
Existe uma questão de afinidade que não se explica simplesmente pela ordem terrena, da mente egoica.
Quando não se aceita a lei das reencarnações, fica mais complicado compreender as relações conflituosas entre filhos, pais, irmãos e cônjuges.
Numa mesma família encontramos irmãos muito diferentes uns dos outros em sua personalidade e acostumamos dizer que um puxou ao pai e o outro mais à mãe…
Estamos num corpo moldado pelos genes e temos traços de nossos progenitores.
Mas, não basta nos apegarmos ao legado da genética, porque muitas lacunas não são preenchidas.
Toda família é constituída pela engenharia dos espíritos responsáveis pelas reencarnações, que trabalham no plano astral.
Antes de você nascer, a maravilhosa máquina humana é manipulada pela espiritualidade, que ajuda a fornecer as condições necessárias a sua nova vida.
As características físicas são moldadas a partir da sua condição espiritual e de quais as principais limitações a superar.
Quando se trata dos conflitos familiares, não se pode esquecer que a família é uma entidade viva, da qual o indivíduo faz parte e coexiste.
Há um vínculo energético muito forte e mesmo que distanciados fisicamente, a influência que um familiar exerce ao outro continua na dimensão energética.
Psicologia falha quando tenta resolver os problemas familiares apenas pela ótica dos impulsos mentais e emocionais, sem considerar o elo maior entre os familiares, que extrapola qualquer questionamento da vida atual e que adentra o complexo das reencarnações e da entidade energética familiar que forma sua árvore ancestral.
Na família também reencontramos grandes amigos, irmãos espirituais afins, que nos fortalecem na caminhada, como anjos da guarda em nossa vida.
No vínculo espiritual nutrido por desavenças, é necessário que haja um trabalho de renovação da relação, para que sejam dissolvidos os ressentimentos dos corpos emocionais dos envolvidos e, principalmente, o cordão energético deletério, entre eles, que se formou dessa vivência negativa.
Sabe, quando você fica meio irritado com algum parente ou magoado com as atitudes dele, você entra em um estado de espírito de resgate.
Então, quando falamos sobre os resgates na reencarnação, eles acontecem nessas ocasiões, em que nossos sentimentos ficam confusos e tristes e os conflitos familiares nos atingem com maior intensidade.
Caso contrário, sua família continuará junto de você, em seus pensamentos, seus sentimentos, em sua vida.
Alguns conflitos também surgem da vinculação de espíritos que se somam a ela e que podem afetar negativamente as condições energéticas do núcleo familiar.
Olhe para você, veja qual é o seu papel dentro da família, apenas observe, sem críticas ou julgamentos.
Este personagem no tarô representa um homem idoso que carrega uma lanterna, símbolo do grande conhecimento adquirido, iluminando sua trajetória.
Para terminar, deixe que a luz da lanterna toque o coração de todos vocês, um a um, abençoe a sua família, seu núcleo de aprendizado evolutivo.
Toda vez que entrar em um estado de espírito de resgate, pare e faça o papel do Ermitão.
Cada um de seus familiares tem que carregar a bagagem que lhe pertence, não tente carregar a cruz de nenhum deles, porque a sua já lhe pesa o suficiente.

Facebook Comments