Os Seres que me tiraram do corpo e me falaram do Prazo Final da Humanidade

Decidir trabalhar ou não essa habilidade aparentemente inerente ao ser humano é uma escolha

— e os caminhos, não necessariamente, precisam passar por alguma religião.

Adriana Noviski, autora do recém-lançado Na sala ao lado

— Os mundos invisíveis e seus segredos (Editora Évora), é um dos exemplos de como a busca por informação é capaz de mudar paradigmas

— e o modo como se encara a vida.

A vivência e o trabalho voluntário posterior às aulas a inspiraram a contar as histórias que viu, por meio da personagem fictícia Amanda.

Tiraram do corpo  A mediunidade é conseguir ver algo a mais.

Sonhos premonitórios, vultos e mesmo percepções que vinham como flashes sobre problemas de pessoas próximas foram, segundo Noviski, o ponto de partida para que ela procurasse se aprofundar no tema.

Um dos fundadores do Programa de Saúde e Espiritualidade do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo (USP) e professor titular do Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Alexander Moreira Almeida explica que, para fins de estudo, a mediunidade é definida como “uma experiência em que um indivíduo alega estar em comunicação com ou sob a influência de uma pessoa falecida ou de um outro ser não material”.

Zuleika de Souza/CB/D.A PressDepois de sofrer com problemas de saúde e “crises de loucura”, Maria Liosmira encontrou a cura em um terreiro (foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)O tema, inclusive, é familiar a todos nós

— uma vez que está presente na base de grande parte das religiões.

Como exemplos, Almeida cita Moisés e os profetas recebendo mensagens de Deus e dos anjos, Maomé recebendo mensagens do anjo Gabriel na composição do Corão, os oráculos gregos, os dons do Espírito Santo nas comunidades cristãs primitivas, bem como entre os católicos carismáticos e protestantes pentecostais.

“Deve-se destacar que, especialmente no Brasil, nossas origens indígenas e africanas estão também fortemente permeadas por crenças e vivências ligadas à mediunidade”, completa.

Houve um grande interesse no tema na transição dos séculos 19 e 20 e,recentemente, houve uma retomada do interesse.

Entre as principais hipóteses, estão fraude, doença mental, manifestações do inconsciente do médium, percepção extrassensorial (telepatia e clarividência) e sobrevivência da consciência/personalidade depois da morte corporal.

Os pesquisadores chegaram à conclusão de que “regiões e sistemas cerebrais mediam os diferentes aspectos da experiência religiosa”, descartando, assim, a teoria ponto de Deus

— que postulava um local no cérebro como responsável pela experiência com o divino.

Os estudos sugeriram ainda que há uma maior atividade do córtex frontal e pré-frontal

(áreas responsáveis pela motricidade voluntária) durante experiências religiosas.

Outros achados incluem “um aumento da atividade nas redes atencionais relacionadas ao pensamento reflexivo durante tais experiências”.

Os lobos frontal e parietal, segundo alguns levantamentos, são as áreas do cérebro correlacionadas com elementos psicológicos e cognitivos específicos dessas vivências.

Contudo, os estudos demonstram curiosidade em saber o que se passa no cérebro de um médium incorporado, apesar de as pesquisas sobre o assunto ainda serem esparsas.

“Em linhas gerais, os resultados demonstram que as experiências espirituais como a mediunidade não estão ligadas a apenas uma região, mas a um complexo padrão de ativação de diversas áreas cerebrais”, afirma Alexander Moreira Almeida.

Tiraram do corpo Com o psicólogo Julio Peres e Andrew Newberg,

neurocientista norte-americano pioneiro no estudo neurológico de experiências

religiosas e espirituais (conhecido como neuroteologia), Almeida participou

de uma pesquisa que buscou descobrir as diferenças de funcionamento do cérebro de médiuns quando eles psicografavam em relação a quando escreviam um texto fora do estado de transe.

“Apesar disso, entre os médiuns mais experientes, ao contrário do que seria esperado,

durante a psicografia, houve menor ativação de várias áreas cerebrais

ligadas à construção do discurso e ao pensamento mais elaborado.”

investigação neurocientífica de experiências espirituais abrange,

ainda, a própria saúde mental dos médiuns, uma vez que pode

existir a possibilidade de essa faculdade ser, na realidade, causa ou consequência de doenças mentais.

Para os médiuns, uma boa notícia: de acordo com o psiquiatra,

estudos recentes indicam que eles “possuem boa saúde mental

e que essas experiências podem estar associadas a bons níveis de ajustamento social”.

Maria Liosmira Rodrigues dos Santos, 49 anos, passou por várias consultas

até descobrir a razão pela qual acordava, sem explicação aparente, em qualquer lugar, menos na própria cama.

Quando ainda era adolescente, por volta dos 19 anos, era comum que dormisse

em casa e acordasse, por exemplo, no meio do mato.

Veja Também

Como tratar, recuperar e vencer a Bonquite

Bocejo

 

O Bocejo e a Mediunidade

 

Colonias Espirituais

 

 

Colonias Espirituais que estão no território Brasileiro

 

.

Se a saúde não está bem, não é somente o corpo que reclama: para Maria Liosmira,

a mediunidade também se manifesta nessas ocasiões, seja com dores nas pernas,

seja com fobias e dores de cabeça inexplicáveis, como no caso dela.

Os Seres que me tiraram do corpo

Facebook Comments