É Necessário Sofrer? Qual o Verdadeiro Sentido do Sofrimento?

O problema do Ser.

O problema do Ser O primeiro problema que se apresenta ao pensamento é o do próprio pensamento, ou, antes, do ser pensante.  

 

Sofrer é Necessário? O Verdadeiro Sentido do Sofrimento

 

É isto, para todos nós, assunto capital, que domina todos os outros e cuja solução nos reconduz às próprias origens da vida e do universo.

Qual a natureza da nossa personalidade?

Comporta um elemento suscetível de sobreviver à morte?

A essa questão estão afetas todas as apreensões, todas as esperanças da humanidade.

O problema do ser e o problema da alma fundem-se num só.

É a alma 37 que fornece ao homem o seu princípio de vida e movimento.

A alma humana é uma vontade livre e soberana, é a unidade consciente que domina todos os atributos, todas as funções, todos os elementos materiais do ser, como sofrimento a Alma divina domina, coordena e liga todas as partes do universo para harmonizá-las.

A alma é imortal, porque o nada não existe e coisa alguma pode ser aniquilada, nenhuma individualidade pode deixar de ser.

A dissolução das formas materiais prova simplesmente uma coisa: que a alma é separada do organismo por meio do qual comunicava com o meio terrestre.

Não deixa, por esse fato, de prosseguir a sua evolução em novas condições, sob formas mais perfeitas e sem nada perder da sua identidade.

De cada vez que ela abandona o seu corpo terrestre, encontra-se novamente na vida do espaço, unida ao seu corpo espiritual, do qual é inseparável, à forma imponderável que para si preparou com os seus pensamentos e obras.

Esse corpo sutil, essa duplicação fluídica existe em nós no estado permanente.

Embora invisível, serve, entretanto, de molde ao nosso corpo material.

Este não representa, no destino do ser, o papel mais importante.

O corpo visível, ou corpo físico, varia.

Formado de acordo com as necessidades da vida terrestre, é temporário e perecível;

desagrega-se e dissolve-se quando morre.

O Sofrimento e o corpo sutil

O corpo sutil permanece;

preexistindo ao nascimento, sobrevive às decomposições da campa e acompanha a alma nas suas transmigrações.

É o modelo, o tipo original, a verdadeira forma humana, à qual vêm incorporar-se temporariamente as moléculas da carne. Essa forma sutil, que se mantém no meio de todas as variações e de todas as correntes materiais, mesmo durante a vida pode separar-se, em certas condições, do corpo carnal, e também agir, aparecer, manifestar-se à distância, como mais adiante veremos, de modo a provar de maneira irrecusável sua existência independente.

As provas da existência da alma são de duas espécies: morais e experimentais.

Vejamos primeiro as provas morais e as de ordem lógica;

não obstante haverem servido muitas vezes, conservam toda a sua força e valor.

Segundo as escolas Materialista e Monista, a alma não é mais do que a resultante das funções cerebrais.

“As células do cérebro

– disse Haeckel

– são os verdadeiros órgãos da alma.

Esta está ligada à integridade delas.

Cresce, decai e desaparece com elas.

O gérmen material contém o ser completo, físico e mental.”

Responderemos em substância:

A matéria não pode gerar qualidades que ela não tem.

Átomos, sejam triangulares, circulares ou aduncos, não podem representar a razão, o gênio, o amor puro, a caridade sublime.

O cérebro, dizem, cria a função.

É caso compreensível que uma função possa conhecer-se, possuir a consciência e a sensibilidade?

Como explicar a consciência, a não ser pelo espírito?

Vem da matéria?

Quantas vezes não está a primeira em luta com a última!

Vem do interesse e do instinto de conservação?

Revolta-se ela contra eles e leva-nos até ao sacrifício!

O organismo material não é o princípio da vida e das faculdades;

é, ao contrário, o seu limite.

Sofrimento e o cérebro

O cérebro é um simples instrumento que serve ao Espírito para registrar as suas sensações.

É comparável a um harmonia, em que cada tecla representaria um gênero especial de sensações.

Quando o instrumento está perfeitamente afinado, as teclas dão, sob a ação da vontade, o som peculiar a cada uma delas e reina a harmonia em nossas idéias e em nossos atos;

mas se as teclas estiverem estragadas, ou desfalcadas, o som produzido não será o que deve ser, a harmonia será incompleta.

Resultará daí uma desafinação, por mais esforços que faça a inteligência do artista, ao qual será impossível tirar do instrumento defeituoso uma combinação de manifestações regulares. Assim se explicam as doenças mentais, as neuroses, a idiotia, a perda temporária da palavra ou da memória, a loucura, etc., sem que, por isso, a existência da alma fique comprometida.

Em todos esses casos o Espírito subsiste, mas as suas manifestações são contrariadas e, às vezes, até aniquiladas por uma falta de correlação com o seu organismo.

Sem dúvida, o desenvolvimento do cérebro denota, de maneira geral, altas faculdades.

Uma alma delicada e poderosa precisa de um instrumento mais perfeito, que se preste a todas as manifestações de um pensamento elevado e fecundo.

As dimensões e circunvoluções do cérebro estão muitas vezes em relação direta com o grau de evolução do Espírito.

Não se deve daqui deduzir que a memória é um simples jogo das células cerebrais.

Estas modificam-se e renovam-se sem cessar, diz a Ciência, a tal ponto que o cérebro e o corpo passam por uma completa mudança material em poucos anos.

Nessas condições, como explicar que nós possamos recordar dos fatos que remontam a dez, vinte, trinta anos?

Como rememoram os velhos com surpreendente facilidade todos os pormenores da sua infância?

Como podem a memória, a personalidade, o “eu” persistir e manter-se no meio das contínuas destruições e reconstruções orgânicas?

Outros tantos problemas insolúveis para o materialismo!

Os sentidos, dizem os psicólogos contemporâneos, são o único veículo para a alma, a suspensão dos primeiros implica o desaparecimento da outra.

Notemos, entretanto, que o estado de anestesia, isto é, a supressão momentânea da sensibilidade, não elimina, de modo algum, a ação da inteligência.

Esta se ativa, ao contrário, em casos nos quais, segundo as doutrinas materialistas, deveria estar aniquilada. Buisson escrevia:

“Se existe alguma coisa que possa demonstrar a independência do “eu”, é com certeza a prova que nos fornecem os pacientes submetidos à ação do éter.

Nesse estado as suas faculdades intelectuais resistem aos agentes anestésicos.

” Velpeau, tratando do mesmo assunto, dizia:

“Que mina fecunda não são para a Fisiologia e para a Psicologia os fatos como esses, que separam o espírito da matéria, a inteligência do corpo!”

Havemos de ver também por que forma, no sono comum ou no provocado, no sonambulismo e na exteriorização, a alma pode viver, perceber e agir sem o auxílio dos sentidos.

Se a alma, como diz Haeckel, representasse unicamente a soma dos elementos corporais, haveria sempre no homem correlação entre o físico e o mental.

A relação seria direta e constante e perfeito o equilíbrio entre as faculdades, as qualidades morais de uma parte, e a constituição material, da outra.

Os mais bem dotados no ponto de vista físico possuiriam também as almas mais inteligentes e mais dignas.

Sabemos que assim não sucede, porque, muitas vezes, almas de escol têm habitado corpos débeis.

A saúde e a força não implicam, nos que as possuem, um espírito sutil e brilhantes faculdades.

Mens sana in corpore sano, diz, é verdade;

mas, há tantas exceções a esta máxima que não é possível considerá-la como regra absoluta.

A carne cede sempre à dor; não sucede o mesmo com a alma, que, muitas vezes, resiste, exalta-se no sofrimento e triunfa dos agentes externos.

Os exemplos de Antígono, de Jesus, de Sócrates, de Joana d’Arc, dos mártires cristãos, dos hussitas e de tantos outros que embelezam a História e enobrecem a raça humana aí estão para lembrar-nos que as vozes do sacrifício e do dever podem elevar-se muito acima dos instintos da matéria.

Nas horas decisivas, a vontade dos heróis sabe dominar as resistências do corpo.

Se o homem estivesse integralmente contido no gérmen físico, encontrar-se-iam nele unicamente as qualidades e os defeitos dos seus progenitores, na mesma proporção;

mas, ao contrário, veem-se por toda parte crianças que diferem dos pais, são-lhes superiores ou ficam-lhes inferiores.

Irmãos, irmãos gêmeos, de uma semelhança física flagrante, apresentam, mental e moralmente considerados, caracteres dessemelhantes entre si e com os seus ascendentes.

As teorias do atavismo e da hereditariedade são impotentes para explicar os casos célebres de crianças artistas ou sábias

– músicos como Mozart ou Paganini, calculistas como Mondeux e Inaudi, pintores de dez anos como Van der Kerkhove e tantos outros meninos-prodígio, cujas aptidões não se encontram nos pais ou só se encontram em grau muito inferior, como, por exemplo, nos ascendentes de Mozart.

As propriedades da substância material, transmitidas pelos pais, manifestam-se na criança pela semelhança física e pelos males constitucionais;

mas a semelhança só persiste, quando muito, durante o primeiro período da vida.

Desde que o caráter se define, desde que a criança se faz homem, veem-se as feições se modificarem pouco a pouco, ao mesmo tempo em que as tendências hereditárias vão diminuindo e dando lugar a outros elementos, que constituem uma personalidade diferente, um ser às vezes distinto, pelos gostos, pelas qualidades, pelas paixões, de tudo quanto se encontra nos ascendentes.

Não é, pois, o organismo material o que constitui a personalidade, mas sim o homem interior, o ser psíquico. À medida que este se desenvolve e se afirmar por sua própria ação na existência, vê-se a herança física e mental dos pais ir pouco a pouco enfraquecendo e, muitas vezes, desaparecer.

A noção do bem, gravada no fundo das consciências, é, igualmente, prova evidente da nossa origem espiritual.

Se o homem procedesse do pó ou fosse resultante das forças mecânicas do mundo, não poderíamos conhecer o bem e o mal, sentir remorso nem dor moral.

“Essas noções

– dizem-nos

– provêm dos vossos antepassados, da educação, das influências sociais!”

Mas, se essas noções são heranças exclusivas do passado, de onde foi que ele as recebeu?

E por que se multiplicam em nós, não achando terreno favorável nem alimento?

Se a vista do mal vos tem causado sofrimento, se tendes chorado por vós e pelos outros, haveis de ter podido entrever, nessas horas de tristeza, de dor reveladora, as secretas profundezas da alma, as suas ligações misteriosas com o Além, e deveis compreender o encanto amargo e o fim elevado da existência, de todas as existências.

Esse fim é a educação dos seres pela dor;

é a ascensão das coisas finitas para a vida infinita.

Não, o pensamento e a consciência não derivam de um universo químico e mecânico.

Ao contrário, dominam-no, dirigem-no e subjugam-no do Alto.

Com efeito, não é o pensamento que pesa os mundos, mede a extensão e discrimina as harmonias do Cosmo?

Só por um lado pertencemos ao mundo material.

É por isso que tão vivamente padecemos com os seus males.

Se lhe pertencêssemos completamente, sentir-nos-íamos muito mais em nosso elemento e ser-nos-iam poupados muitos sofrimentos.

A verdade acerca da natureza humana, da vida e do destino, o bem e o mal, a liberdade e a responsabilidade não se descobrem no fundo das retortas nem na ponta os escalpelos.

A ciência material não pode julgar coisas do espírito.

Só o espírito pode julgar e compreender o espírito, e isso na razão do grau da sua evolução.

É da consciência das almas superiores, dos seus pensamentos, dos seus trabalhos,

dos seus exemplos, dos seus sacrifícios, que brotam a luz mais intensa e o mais nobre

ideal que podem guiar a humanidade no seu caminho.

O homem é, pois, ao mesmo tempo, espírito e matéria, alma e corpo;

mas talvez espírito e matéria não sejam mais do que simples palavras, exprimindo de maneira imperfeita

as duas formas da vida eterna, a qual dormita na matéria bruta, acorda na matéria orgânica, adquire atividade,

se expande e se eleva no espírito.

Não haverá, como admitem certos pensadores, mais do que uma essência única das coisas,

forma e pensamento ao mesmo tempo, sendo a forma um pensamento materializado e o pensamento a forma do espírito?

É possível.

O saber humano é limitado e até os olhares do gênio não são mais do que relâmpagos

no domínio infinito das ideias e das leis.

Todavia, o que caracteriza a alma e absolutamente a diferencia da matéria é a sua unidade consciente.

Sob a ação da análise, a matéria dispersa-se e dissipa-se.

O átomo físico divide-se em sub-átomos, que, por sua vez, fragmentam-se indefinidamente.

A matéria é inteiramente desprovida de unidade, como o estabeleceram as recentes descobertas de Becquerel, Curie e Le Bon.

No universo só o espírito representa o elemento uno, simples, indivisível e, por conseguinte, logicamente indestrutível, imperecível, imortal.

Léon Denis

Facebook Comments

Deixe uma resposta