Ramatís A história de um grande Mestre Universalista

Ramatís, ou Swami Rama-Tys, é uma presença polêmica no mundo espírita, com obras psicografadas que abrangem inúmeros aspectos das atividades espirituais. 

A vida de Ramatis

Conhecendo melhor a história de Ramatís

Para conhecermos melhor a história de Ramatís, precisamos retroceder até o século 11, na região que viria a ser conhecida como Indochina, e que na época era dominada pelo império chinês.

Alguns parcos registros relatam que desde tenra idade ele possuía grande sabedoria, uma vez que já a carregava há várias encarnações.

Entretanto, em encarnações anteriores, diz-se que ele já tinha sido o grande matemático e filósofo Pitágoras (cerca de 570 – 496 a.C.) , bem como Filon de Alexandria (cerca de 30 a.C.

Em época ainda mais recuada, ele viveu na Atlântida,.quando conheceu o espírito que seria conhecido como Alan Kardec, e com o qual se encontraria novamente em sua passagem pelo Egito, no templo do faraó Mernefta, filho de Ramsés;

Em sua vida na Grécia Antiga, no período em que ela estava em plena ebulição cultural, segundo informam algumas psicografias, ele já tinha conhecimento da imortalidade da alma, da purificação através de sucessivas reencarnações, e seus ensinamentos buscavam mostrar as nítidas vantagens de espiritualizar a vida.

Sua encarnação como Ramatís

Ramatís

Veja:

Em sua encarnação como Ramatís, ele se distinguiu como grande sábio, tendo feito parte da história da Índia no período da invasão dos arianos, por volta do século 4 a.C.

Depois disso, no Plano Superior das Inteligências Espirituais, filiou-se definitivamente a um grupo de trabalhadores espirituais conhecido como Templários das Cadeias do Amor.

Trata-se de um agrupamento nas colônias invisíveis do Além, que se dedica a trabalhos ligados à corrente oriental de pensamento.

Rama é o nome que se dá à própria divindade, o Criador, cuja força criadora emana para as nossas vidas quando pronunciado corretamente;

Os Discípulos de Ramatís

O templo que ele fundou foi erguido por seus primeiros discípulos.

Em sua última estada na esfera física, Ramatís teve setenta e dois discípulos, vindos das mais diversas linhas religiosas e espiritualistas do Egito, Índia, Grécia, China e até mesmo da Arábia;

Apenas dezessete conseguiram envergar a simbólica “Túnica Azul” (o domínio da Vontade) e atingir o último grau do ciclo iniciático em seus invólucros físicos.

Mas em seu trabalho espiritual, Ramatís teve contato com os outros discípulos e muitos, ao longo de suas vidas físicas, retornaram ao seio dos seus ensinamentos.

Dos dezoito que reencarnaram no Brasil

Os discípulos de Ramatís usam os conhecimentos adquiridos para ultrapassar as experiências físicas e sensoriais limitadas pela matéria, respeitando todas as linhas espirituais e compreendendo a necessidade que os homens têm de buscar a Verdade.

Diz-se que a Europa se encontra no final de sua grande missão civilizadora e, devido a esse desenlace cármico e espiritual, muitos dos discípulos reencarnados naquelas terras emigrarão para o Brasil.

médium Hercílio Maes, embora fosse reservado quanto a esse assunto, escreveu extensa obra psicografada de Ramatís e, segundo conversas íntimas com pessoas próximas a ele, relatou que teria sido “adotado” por Ramatís quando de sua primeira encarnação expiatória, no Egito, no reinado de Akenaton (Amenófis IV, cerca de 1370 – 1352 a.C.), na qual exercia a modesta profissão de aguadeiro.

Em determinada ocasião, respingou água nas sandálias de uma dama da corte e, num julgamento sumário, foi condenado à morte.

Colaborando com esse relato, em 2002, durante a revisão do livro Akhenaton, obra histórica psicografada pelo médium Roger Bottini Paranhos, constatou-se que Ramatís aparece ali como o sumo sacerdote do faraó, com o nome de Meri-Rá.

A Fraternidade da Cruz e do Triângulo

Na dimensão espiritual, Ramatís exerce uma forte atuação junto à Fraternidade da Cruz e do Triângulo e se empenha em divulgar os ensinamentos de Jesus Cristo.

Após essa união, as duas fraternidades – consideradas Fraternidades Brancas – consolidaram uma série de práticas e trabalhos espirituais que resultaram na formação da Fraternidade da Cruz e do Triângulo.

Sobre o peito, trazem suspensa uma corrente com um triângulo lilás luminoso, no qual se encontra uma cruz em forma de lírio, símbolo que exalta a obra de Jesus e da mística oriental.

Esse é um dos motivos pelos quais os seguidores de Ramatís na Terra – embora profundamente devotados ao pensamento cristão – também têm profundo respeito pela espiritualidade do Oriente.

Ensinamentos e Mensagens

temática ensinada e discutida nas obras de Ramatís é sempre apresentada a partir de um enfoque universalista, e também encontra paralelo nos temas abordados por André Luiz e outros espíritos do bem.

Descrição de RamatÍs

A aparência de Ramatís, conforme geralmente é apresentada em pinturas e desenhos, deve-se às visões de vários médiuns que entram em contato com ele, recebendo suas mensagens.

ponto central das mensagens e do trabalho de Ramatís – que é seguido por diversas casas espíritas que recebem suas indicações espirituais – é a postura universalista e não-sectária, que permite absorver os conhecimentos espirituais das mais diversas linhas, convergindo dessa forma para uma união semelhante à que se dá no plano etérico entre as fraternidades da Cruz e do Triângulo, refazendo a máxima hermética de que o macrocosmo e o microcosmo estão correlacionados e se influenciam.

Segundo relatos, numa conferência pública realizada em 1969, no Instituto de Cultura Espírita do Brasil, o médium Hercílio Maes disse que recebeu informações dos espíritos superiores referentes tanto à atuação de Emmanuel e Chico Xavier, quanto à de Ramatís e do próprio Hercílio Maes, assim como de outros integrantes de futuras equipes de trabalhos espiritualistas.

A idéia é que cada qual teria sua função e atuação específica, no sentido de constituir um amplo movimento de unificação que resultaria na implantação, no futuro, de um só rebanho para um só pastor: Jesus Cristo.

Quem é Ramatís

Ramatís é um Mestre espiritual, proveniente do sistema estelar de Sírius, onde logrou a libertação do ciclo reencarnatório, vindo para a Terra há mais de 40 mil anos atrás, trazendo consigo conhecimentos ocultos que compuseram a milenar Aumbandhã, em transmigração missionária, acompanhando um grupo de espíritos aqui exilados à época das extintas civilizações da Lemúria e da Atlântida, cuja evolução assumiu o compromisso de acompanhar, e, desde então, vem contribuindo ininterruptamente para a evolução e a conscientização crística da humanidade terrena.

Ramatís viveu depois encarnado na Atlântida há 28 mil anos, ao tempo de Antúlio de Maha-Ethel, quando pertenceu à classe sacerdotal, na figura do grande filósofo Shy Ramat, integrante de um dos santuários da época, o Templo do Sol e da Paz, onde foi contemporâneo do Espírito que mais tarde seria conhecido sob o pseudônimo de Allan Kardec, o posterior codificador do Espiritismo, que então era profundamente dedicado à matemática e às chamadas ciências positivas.

Segundo o mestre Hilarion de Monte Nebo

Segundo o mestre Hilarion de Monte Nebo, e outros sublimes mensageiros espirituais, Ramatís ainda viveu anteriormente na figura de Essen, filho de Moisés e fundador da Fraternidade Essênia, fiel seguidora dos ensinamentos Kobdas;

As doutrinas pitagóricas primeiro se desenvolveram no seio dessa comunidade e depois entre os pitagóricos dispersos pela Grécia e no sul da Itália, que acreditavam na transmigração das almas e buscavam praticar um ascetismo purificador.

Pitágoras considerava o número como a essência e o princípio de todas as coisas, introduzindo uma noção de Cosmo que é essencialmente medida e número (harmonia celestial), conceito elaborado numa metafísica que mais tarde influiu decisivamente Platão.

A literatura esotérica considera:

A literatura esotérica considera Pitágoras um alto iniciado nos mistérios egípcios, babilônicos e caldeus, cuja doutrina resumiria os arcanos da natureza em suas teorias matemáticas transcendentes e em sua música das esferas.

Posteriormente, ainda na Grécia antiga, por volta do século IV a.C., época em que se encontravam em ebulição os princípios e teses esposados por Sócrates, mais tarde cultuados por Antístenes, discípulo de Sócrates e mestre de Diógenes, Ramatís novamente reencarnou, agora na figura de conhecido mentor helênico, pregando entre os discípulos ligados entre si por grande afinidade espiritual.

Obras de Ramatis:

Obras psicografadas por Hercílio Maes

  • A Vida no Planeta Marte e os Discos Voadores (1955)
  • Mensagens do Astral (1956)
  • A Vida Além da Sepultura (1957; autor espiritual principal: Atanagildo)
  • A Sobrevivência do Espírito (1958; autor espiritual principal: Atanagildo)
  • Fisiologia da Alma (1959)
  • Mediunismo (1960)
  • Mediunidade de Cura (1963)
  • O Sublime Peregrino (1964)
  • Elucidações do Além (1964)
  • A Missão do Espiritismo (1967)
  • Magia de Redenção (1967)
  • A Vida Humana e o Espírito Imortal (1970)
  • O Evangelho à Luz do Cosmo (1974)
  • Sob a Luz do Espiritismo (1999; obra póstuma)
  • Ramatis – Uma Proposta de Luz (2003; seleção de trechos das obras anteriores)

Obras psicografadas por América Paoliello Marques

  • Brasil, Terra de Promissão (1973 ou 1974)
  • Jesus e a Jerusalém Renovada (1980)
  • Viagem em Torno do “Eu” (2006; obra póstuma)
  • Nota: os livros Mensagens do Grande Coração (1962 ou antes), psicografado por América e Wanda B. P. Jimenez,
  • Evangelho, Psicologia, Ioga (1995), coletânea de estudos subsidiários de palestras de América e considerados
  • inspirados por Espíritos, também contêm textos de Ramatis.

Obras psicografadas por Maria Margarida Liguori

  • Momento de Reflexão – Vol. 1 (1990)
  • Momento de Reflexão – Vol. 2 (1993)
  • Momento de Reflexão – Vol. 3 (1995)
  • O Homem e o Planeta Terra (1998)
  • O Despertar da Consciência (1999)
  • Em Busca da Luz Interior (2001)
  • Jornada de Luz (2001)

Obra psicografada por Wagner Borges

  • Viagem Espiritual I (1993; co-autores espirituais: Yogananda, Rama e Aïvanhov)

Obra psicografada por Beatriz Bérgamo

  • Gotas de Luz (1996)

Obras psicografadas por Márcio Godinho

  • As Flores do Oriente (2000)
  • Resgate nos Umbrais (2007)
  • Travessia para a Vida (2007)

Obras psicografadas por Norberto Peixoto

  • Chama Crística (2001)
  • Samadhi (2002; co-autora espiritual: Vovó Maria Conga)
  • Evolução no Planeta Azul (2003; co-autora espiritual: Vovó Maria Conga)
  • Jardim dos Orixás (2004)
  • Vozes de Aruanda (2005; co-autor espiritual: Babajiananda)
  • A Missão da Umbanda (2006)
  • Umbanda Pé no Chão (2008)
  • Diário Mediúnico – Um Guia de Estudos da Umbanda (2009)
  • Mediunidade e Sacerdócio (2010)
  • O Triunfo do Mestre (2011)
  • Aos Pés do Preto Velho (2012) (co-autor espiritual: Pai Tomé)

Obra de Hur-Than de Shidha

  • O Astro Intruso e o Novo Ciclo Evolutivo da Terra (2004)

Obras de Dalton Campos Roque & Andréa Lúcia da Silva

  • O Karma e Suas Leis (2004)
  • Mensagens de Ramatís e Amigos Espirituais (2013)

Obras psicografadas por Leandro Ortolan

  • O Tempo dos Mensageiros (2013)

Obra de Carlos Henrique Forte

  • Cosmoverso – Da Criação à Evolução Espiritual (2014)

Obra psicografada por Sandra Silva

  • Essência e Autoencontro (2015)

Obras psicografadas por Sávio Mendonça

  • O Vale dos Espíritas (2015) ISBN 978-85-7618-339-6
  • Missão Planetária (2016) (co-autores espirituais Akhenaton e Hamod) ISBN 978-85-7618-379-2
Facebook Comments

Deixe uma resposta